Negócios

Startup: 10 cases de sucesso no Brasil

Escrito por Redação

Quando o assunto é criar uma startup de sucesso, não faltam exemplos no Brasil de empreendedores que começaram praticamente do zero e após um período relativamente curto, estavam comandando um negócio milionário.

Entretanto, se engana quem acredita que basta ter um grande insight e o sucesso logo virá, o empreendedor que quer ver sua startup vingar, precisa ter determinação para colocar em prática o que imaginou; persistência para mostrar aos investidores que seu negócio será altamente lucrativo; além de inovação e expansão contínuas para enfrentar a concorrência. Tão importante quanto ter uma boa ideia, é ter a capacidade de executá-la.

Conheça um pouco da história de 10 startups que foram além de uma boa ideia e se tornaram exemplos de sucesso no Brasil:

1. Conta Azul

O que oferece: gestão 100% online para micro e pequenos negócios.

Em 2009, três amigos catarinenses criaram a Conta Azul, uma ferramenta de gestão online para micro e pequenas empresas.

A empresa foi a primeira brasileira selecionada pelo 500 startups, que é um dos principais programas de aceleração de negócios no Vale do Silício, ficando incubada por quatro meses nos Estados Unidos. O potencial da Conta Azul passou a chamar a atenção e a receber investimentos milionários, como os da Monashees Capital, Ribbit Capital, da Napkn Ventures e Tiger Global.

Desde a sua criação, mais de 500 mil micro e pequenas empresas foram clientes da Conta Azul. Só em 2014, a empresa cresceu 200% e foi citada na Revista Forbes como a primeira startup brasileira a valer mais de um bilhão.

2. Buscapé

O que oferece: comparação online de preços.

Em 1999, as dificuldades para localizar lojas e comparar preços na internet levaram quatro amigos a criarem um site de buscas de preços. Nascia o Buscapé. No início, houve resistência de varejistas, mas logo acabaram cedendo, visto que o site caiu no gosto dos internautas. Com isso, os criadores conseguiram atrair investidores como E-Plataform (Merrill Lynch), Unibanco e Brasil Warrent (grupo Moreira Salles).

Em 2009, o grupo sul-africano Naspers, adquiriu cerca de 90% das ações da empresa por US$ 342 milhões.

Hoje, o Buscapé está presente no Brasil e em mais 28 países, comparando preços de mais de 10 milhões de produtos vendidos por 60 mil empresas e é responsável pelo shopping de mais de 100 portais, incluindo o da Microsoft.

3. PSafe

O que oferece: segurança e confiança ao ambiente digital.

Proporcionar mais segurança e confiança aos internautas brasileiros e latino-americanos, esse foi o desafio que levou o CEO Marco De Mello a criar a PSafe em 2011.

A empresa desenvolve o aplicativo líder de segurança mobile na América Latina, PSafe Total Android, que foi o quinto mais baixado aplicativo gratuito no Brasil em 2014 e permanece no Top 5 ranking da Google Play para celulares Android (com mais de 40 milhões de instalações e mais de 20 milhões de usuários ativos mensais).

Em junho deste ano, a startup recebeu aporte de US$ 30 milhões dos fundos de investimento da Redpoint Ventures, Qihoo 360 Technology, Pinnacle Ventures e Redpoint eVentures. Com isso, alcançou um valor de mercado superior a R$ 1 bilhão.

4. Easy Taxi

O que oferece: aplicativo para encontrar táxis.

Após ter sido uma das vencedoras da Startup Weekend Rio de Janeiro 2011, a Easy Taxi foi oficialmente lançada em abril de 2012 por quatro empreendedores. Pioneira no serviço móvel de chamada de táxi na América Latina, atua hoje em 30 países, 420 cidades, sendo 350 delas no Brasil.

Os números atuais da empresa impressionam, são mais de 17 milhões de downloads, cerca de 400 mil taxistas cadastrados pelo mundo, aproximadamente 1300 funcionários diretos e indiretos e mais de 20 milhões de usuários.

Ao todo, a Easy Taxi já recebeu R$ 170 milhões de investimentos feitos pelo grupo alemão Rocket Internet; pelo Fundo Latin America Internet Holding (LIH); pela holding iMena e pelo Phenomen Ventures e Tengelmann.

5. Boo-box

O que oferece: tecnologia para publicidade e mídias sociais.

Criada em 2007, por Marco Gomes, a Boo-box surgiu a partir da percepção de que o número de internautas que visitava blogs e mídias independentes não parava de crescer, mas a publicidade continuava concentrada em 4 grandes portais brasileiros. A empresa, então, criou o seu sistema de venda inteligente de anúncios.

Em 2010, a startup recebeu investimentos milionários da Intel Capital e da Monashees Capital. Hoje, a tecnologia da Boo-box classifica e categoriza o público de 700 mil sites, exibe anúncios mais interessantes para 60 milhões de pessoas no Brasil, monetiza a audiência de 70 mil produtores de conteúdo e gera retorno sobre o investimento para 1.500 anunciantes e agências de publicidade.

6. iFood

O que oferece: plataforma de delivery online de comida.

O iFood surgiu da Diskcook, uma central telefônica que gerencia pedidos de entregas de refeições em domicílio para restaurantes. Em 2011, Patrick Sigrist percebeu que este modelo funcionaria melhor caso os pedidos fossem realizados pela internet. Ele e mais três amigos investiram na ideia.

Em 2013, o iFood passou a receber aportes da Movile. A empresa não informa o valor total, mas, no mercado, estima-se que esses investimentos já ultrapassem os R$ 150 milhões.

Atualmente, o iFood está presente em mais de 100 cidades no Brasil. Contando com mais de 5.000 restaurantes. Registra 900 mil pedidos mensais e valor transacionado anual de R$ 500 milhões aos restaurantes. O objetivo é expandir o serviço para outros locais do País, atingindo mais de 10.000 estabelecimentos e redes de alimentação até o final deste ano.

7. Kekanto

O que oferece: guia online de lugares e serviços.

Criado em 2010 por três amigos, o Kekanto é um aplicativo de recomendações de lugares e serviços. A startup se tornou sucesso rapidamente e conquistou investimentos milionários da Accel Parters, da Kaszek Ventures e da W7 Brazil Capital. A receita vem da publicidade.

Presente em mais de 200 cidades brasileiras e em várias capitais da América Latina, o guia recebe mais de 15 milhões de acessos, sete milhões de visitas únicas e já ultrapassou 1,5 milhão de downloads. Em 2013 e 2014, o aplicativo recebeu certificado de qualidade em usabilidade pela Google Play e iTunes.

8. Chaordic

O que oferece: personalização para e-commerce.

Em 2009, após conquistarem a melhor colocação no Netflix Prize (evento que premiaria quem conseguisse melhorar o sistema de recomendação da empresa), quatro amigos lançaram a Chaordic. Atualmente, a startup possui 15 dos 20 maiores e-commerces do país entre seus clientes; é líder em personalização para lojas virtuais no Brasil e tem clientes na Colômbia, no México, na Argentina e no Chile.

Com mais de 850 milhões de recomendações por dia, o algoritmo de recomendação da Chaordic impactou 95% de todos os consumidores que compraram pela internet nos últimos três anos, gerando vendas de mais de dois dígitos de bilhões.

No último mês de setembro, a Chaordic, foi comprada pela Linx, empresa de tecnologia para a gestão de varejo. O valor poderá chegar a R$ 55,98 milhões.

9. ClickBus

O que oferece: passagens rodoviárias pela internet.

O mercado rodoviário brasileiro movimenta mais de 120 milhões de passageiros por ano. Diante deste cenário, três amigos decidiram investir na venda de passagens online e criaram a ClickBus em 2013.

Em seu portal, é possível comprar passagens para mais de 3,5 mil destinos, sem pagar taxa de conveniência. A empresa passou a operar em mais seis países, vende mais de 60 mil passagens por mês e conta com 100 funcionários. Desde a sua criação, a ClickBus recebeu investimentos superiores a US$ 12,5 milhões, de grupos como Latin America Internet Group, Tengelmann Ventures, Holtzbrinck Ventures e da Rocket Internet.

No começo das operações da empresa, apenas 1% das passagens eram vendidas online, dois anos depois, já são 3%.

10. Samba Tech

O que oferece: gestão e distribuição de vídeos online.

Em 2006, Gustavo Caetano teve a ideia de criar uma empresa que pudesse gerir e distribuir vídeos na rede com segurança e escalabilidade. No começo, parecia ser uma aposta de risco, mas, pouco tempo depois, o quadro começou a mudar e empresas dos mais diversos segmentos passaram a necessitar da logística virtual oferecida pela Samba Tech.

A startup recebeu investimento-anjo e da DJF FIR Capital que somados, ultrapassam US$ 3 milhões.

Atualmente, a empresa oferece soluções para mais de 500 clientes em oito países, que vão desde empresas de comunicação como Globo, SBT e Band, até instituições de ensino como a Universidade Estácio de Sá.

Sobre o autor

Redação

Comentários no Facebook